Periodização de carga concentrada técnica e tática para o karatê shotokan (Original).

Palabras clave: karatê, desempenho atlético, treinamento, periodização

Resumen

Os esportes de combate começaram na Grécia antiga durante os Jogos Olímpicos, sendo difundida essas lutas com a introdução delas nos Jogos Olímpicos da era moderna. O aspecto esportivo também atingiu o karatê de estilo shotokan, o primeiro campeonato dessa luta aconteceu em 1936 no Japão. O objetivo da revisão foi de elaborar um conteúdo teórico de uma periodização para o karatê shotokan. O karatê shotokan possui três pilares para ocorrer um excelente desenvolvimento do karateca que são o kihon, o kata e o kumite. Todo treinamento do karatê shotokan está centrado nesses três conteúdos. A característica do treino do karatê shotokan é de uma carga concentrada na técnica e na tática. A carga concentrada técnica e tática nessa periodização ocorrem no kihon, no kata e no kumite. Essa concepção de periodização possui um bloco de carga concentrada técnica e tática que costuma ocorrer na maioria dos treinamentos. Essa periodização prioriza o trabalho técnico e tático, o treino físico fica subordinado aos três conteúdos do treino do karatê shotokan (kihon, kata e kumite) que formam o bloco de carga concentrada técnica e tática. Nessa periodização existem microciclos, mesociclos e períodos, podendo ser prescrito conforme as necessidades do treinador. Em conclusão, a periodização de carga concentrada técnica e tática torna a estruturação do treino do karatê shotokan com padrões científicos, mas ainda esse conteúdo é apenas uma teoria que necessita de estudos de campo para verificar a eficácia dessa concepção de periodização.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Arakaki, H. (2017). Sensei: a jornada espiritual. Campo Grande: Arakaki.

Carvalhal, C. (2001). No treino de futebol de rendimento superior. A recuperação é… muitíssimo mais que “recuperar”. Braga: Liminho.

Cometti, G. (2001). Los métodos modernos de musculación. 3ª edición. Barcelona: Paidotribo.

Foster, C. (1998). Monitoring training in athletes with reference to overtraining syndrome. Medicine and Science in Sports and Exercise, 30(7), 1164-1168.

Marques Junior, N. (2013). Porque o soco causa mais pontos do que o chute durante a luta de karatê? Conteúdo para prescrever o treino do karatê shotokan. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, 7(40), 376-387.

Marques Junior, N. (2013). Evidências científicas sobre a luta do karatê shotokan de competição. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, 8(47), 382-399.

Marques Junior, N. (2020). Periodizations models used in the current sport. MOJ Sports Medicine, 4(2), 27-34.

Marques Junior, N. (2020b). Specific periodization for the volleyball: the importance of the residual training effects. MOJ Sports Medicine, 4(1), 4-11.

Marques Junior, N. (2021). Impacto del puñetazo y de la patada em los deportes de combate: una revisión sistemática. Pensar em Movimento: revista de ciencias del ejercicio y la salud, 19(1), 1-27.

Nakayama, M. (2012). O melhor do karatê – kumite 1. 7ª edição. São Paulo: Cultrix.

Nakayama, M. (2012b). O melhor do karatê – fundamentos 2. 9ª edição. São Paulo: Cultrix.

Seirul-lo Vargas, F. (1987). Opción de planificación en los deportes de largo período de competiciones. Revista de Entrenamiento Deportivo, 1(3), 53-62.

Verkhoshanski, Y. (1995). Preparação de força especial. Rio de Janeiro: GPS.

Windt, J., Gabbett, T. (2018). Is it all for naught? What does mathematical coupling mean for acute:chronic workload ratios? Britsh Journal of Sports Medicine, 53(16), 1-4.

Zakharov, A. (1992). Ciência do treinamento desportivo. Rio de Janeiro: GPS.

Publicado
2022-03-15
Cómo citar
Marques Junior., N. K. (2022). Periodização de carga concentrada técnica e tática para o karatê shotokan (Original). Revista científica Olimpia, 19(2), 61-76. Recuperado a partir de https://revistas.udg.co.cu/index.php/olimpia/article/view/3185