Entre direitos humanos e a sanha do lucro máximo: o turismo numa perspectiva classista (Ensaio)

  • Thiago Sebastiano de Melo Universidade Federal de Goiás

Resumen

A reorganização produtiva do capitalismo contemporâneo confere destaque ao setor de serviços. Com isso o turismo ganha destaque tanto como narrativa social quanto como importante elemento das políticas públicas. Questões se apresentam: Como o turismo se relaciona com os direitos humanos? Como o turismo tem participado na reestruturação produtiva capitalista? O que significa uma existência turistificada?

Há muito mais questões a serem feitas e respondidas, obviamente. No entanto, destaco essas por estarem vinculadas ao objetivo central do trabalho, qual seja, apresentar uma análise da relação entre turismo e direitos humanos a partir de uma perspectiva de classe. Especificamente, o texto tem a finalidade de aproximar a leitura classista que coletivamente se desenvolve no seio da Rede Internacional de Estudos Críticos sobre Turismo, Território e Autodeterminação – REESCRITA1 da garantia dos direitos humanos, aproximando o turismo, a partir de sua compreensão como fenômeno social multidimensional e multiescalar, de algumas das principais dimensões da vida que têm sido turistificadas2. Para tanto, o procedimento metodológico foi a observação da Declaração dos Direitos Humanos, por sua relevância internacional, um levantamento de casos nos quais o turismo rompeu ou reafirmou direitos humanos e revisão bibliográfica sobre os temas abordados. Os casos levantados na mídia foram divididos em 3 grupos que permitem aferir o descompasso entre a (promessa de) garantia universal dos Direitos Humanos, notadamente no tocante à sustentabilidade ambiental e à diversidade existencial/territorial. Por isso, evidencia-se o comprometimento do turismo com tais direitos.

 

Citas

Alves, G. (2017) A longa depressão do século 21 e a era da barbárie social – I. Disponível em Acesso em 16/Fev/2018
Bauman, Z. (2009) Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Trad. Carlos Alberto Medeiros – Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.
BBC. (2017) 6 indicadores em que os EUA estão no mesmo nível dos países subdesenvolvidos. Disponível em Acesso em 16/Fev/2018
Borbolla, M. H. (2018) 4 de cada 10 mexicanos no ganan lo suficiente para comer debido al aumento de la inflación – Coneval. Disponível em Acesso em 16/Fev/2018
Cartacapital. (2014) Em guerra contra a Nestle. Disponível em Acesso em 16/Fev/2018
Chaveiro, E. F. (Inédito) O turismo na periferia do capitalismo – sequestro da paisagem.
Harvey, D. (2011). O enigma do capital: e as crises do capitalismo. Trad. João Alexandre Peschanski. – São Paulo, SP: Boitempo.
Konder, L. (2009) O marxismo na batalha das ideias. 2ª ed. São Paulo: Expressão Popular.
Marx, K. (1975) O capital: crítica da economia política. Livro terceiro: o processo global da produção capitalista. Vol. 4. 3ª ed. Trad. Reginaldo Sant’anna. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
Marx, K. H. (2009) Para a questão judaica. Trad. José Barata-Moura. São Paulo: Expressão Popular.
Melo, T.S.; Souza, J.G. (2011) Turismo e reforma agrária: primeiras aproximações teórico-críticas. AGRÁRIA. São Paulo. n. 14 p. 121-139, 2011
Mészáros, I. (2011) A crise estrutural do capital. Trad. Francisco Raul Cornejo, et al. 2.ed. rev. e ampliada – São Paulo: Boitempo.
OMT. (1999) Código mundial de ética para o turismo. Disponível em Acesso em 16/Fev/2018.
ONU (2015) Transformando nosso mundo – a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Disponível em Acesso em 16/Jan/2018.
ONU. (1948) Declaração Universal dos Direitos Humanos. Disponível em Acesso em 16/Jan/2018.
Ouriques, H. R. (2005). A produção do turismo: fetichismo e dependência. Campinas, SP: Editora Alínea.
Panrotas. (2017) Turismo gera mais empregos que bancos e mineração. Disponível em Acesso em 16/Fev/2018.
Safatle, V. (2012) Sem sofrimento não há crítica social. Disponível em < http://psicologiadospsicologos.blogspot.com.br/2012/10/sem-sofrimento-nao-ha-critica-social.html> Acesso em: 20/Jan/2014.
UOL. (2017) Desigualdades crescem no mundo, especialmente nos Estados Unidos. Disponível em Acesso em 16/Fev/2018
Zizek, S. (2011) Em defesa das causas perdidas. Trad. Maria Beatriz de Medina. São Paulo: Boitempo.
Zizek. S. (2012) O ano em que sonhamos perigosamente. Trad. Rogério Bettoni. São Paulo: Boitempo.
Publicado
2018-12-17
Cómo citar
Sebastiano de Melo, T. (2018). Entre direitos humanos e a sanha do lucro máximo: o turismo numa perspectiva classista (Ensaio). Roca. Revista Científico - Educacional De La Provincia Granma, 14(5). Recuperado a partir de http://revistas.udg.co.cu/index.php/roca/article/view/617