A inserção e vivência da mulher na docência de matemática no município do soyo republica de angola. Estudo de caso (Original)

  • Mario González Posada-Dacosta Universidad de Granma
  • Adelfina Maria-Amelia Escola Superior Politécnica do Zaire/Soyo
Palabras clave: matematica; genero; docência; mulher

Resumen

É inegável o avanço das mulheres em várias profissões, entre estas, a docência de Matemática, embora atualmente na Republica de Angola, no Ensino Médio e Superior, o domínio ainda seja masculino. Entre os docentes do Ensino Primário, em todas as regiões do país, pelo geral predominam as mulheres, inclusive pelas concepções historicamente desenvolvidas da escola nas fases iniciais, por atender crianças, ser considerada extensão do lar, requerendo disposições maternais. Entretanto, o quadro para o Ensino Medio, bem como para o Ensino Médio e Superior, o domínio é estritamente masculino. Segundo Brito (1996), a concepção da matemática como um domínio masculino é cultural, pois existe uma crença generalizada segundo a qual o homem teria maior facilidade na área de exatas por ter as habilidades matemáticas mais desenvolvidas, enquanto a mulher teria maior facilidade na aquisição de conceitos mais relacionados ao domínio verbal. Tal estereótipo sócio-cultural passa a fazer parte do quotidiano educacional e isso, de certa forma, poderá influenciar o desempenho de ambos os sexos nestas áreas. Na intenção de estudar os motivos que levam às mulheres do município do Soyo a não ter uma participação significativa como professora de matemática, nesta pesquisa teve por objectivo valorizar as opiniões das professoras de matemática do ensino medio no município do Soyo em relação à inserção das mulheres no campo da docência de Matemática. Também caracterizou-se as actitudes dos futuros professores de matemática no município do Soyo em relação à matemática e em relação a esta disciplina como um domínio masculino.

Biografía del autor/a

Mario González Posada-Dacosta, Universidad de Granma

Profesor Titular

Citas

Apple, M. (1987). Relações de classe e de gênero e modificações no processo do trabalho docente. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: n.60, 3 - 14.

Bourdieu, P. (2002). A dominação masculina; tradução Maria Helena Küner.- 2a ed. - Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Brito, M. R. F. (1996). Um estudo sobre as atitudes em relação à Matemática em estudantes de 1º e 2º graus. Trabalho de Livre docência. Faculdade de educação- UNICAMP, SP.

Buonicontro, C. M. S. (2003). A teoria de Bourdieu: Os conceitos utilizados no estudo do processo de construção da prática pedagógica do Engenheiro – Professor. Revista de Ensino de Engenharia, v.22, n.1, p.7-13, jun.

Chamon, M. (2005). Trajetória da feminização do magistério: ambiguidades e conflitos. Belo Horizonte: Autêntica/FCH-FUMEC. 180p

Fennema E. e Sherman, J. (1976). Mathematics Attitudes Scales: Instruments designed to measure Attitudes Toward the Learning of Mathematics by Females and Males. Journal for Research in Mathematics Education. 7 (5): 324 - 326.

Fennema, E., Tobias, S. e Jacobs, J. (1993). Mathematics, gender and research. Manuscript in Gender Equity in Mathematics and Science Congress.

Halpern, D. F. (1997). Sex differences in intelligence, implications for education. American Psychologist, 52, 1091-1102.

Hirata, H. (2002). Nova divisão sexual do trabalho?_ um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo: Editora Boitempo, 1ª edição, 336 p.

Lima, E. y Lima, S. (2005). A experiência pessoal conta muito. Cláudia, Editora Abril, Ano 44, n.4, abr., p.62 - 63.

Louro, G. L. (1997). Gênero, Sexualidade e Educação: uma perspectiva pósestruturalista. Rio de Janeiro: Editora: Vozes, 8ª edição.

Moro, C. C. (2001). A questão de gênero no ensino de ciências. Chapecó: Argos, 116p.

RIstoff, D. (2006). A trajetória da mulher brasileira na Educação. Artigo publicado na Folha de São Paulo, Tendências e Debates, 08 mar.

Saffioti, H.I.B. (1975). A mulher na sociedade de classe: mito e realidade. 2. ed. Petrópolis:Vozes,

Schienbinger, L. (2001). O feminismo mudou a ciência? Tradução de Raul Fiker.- Bauru, SP: EDUSC, 384p. (coleção mulher).

Scott, J. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. In: Educação e Realidade. V

Studart, H. (1987). Mulher objeto de cama e mesa. 17ª edição, Petrópolis: Vozes,.

Publicado
2018-09-18
Cómo citar
González Posada-Dacosta, M., & Maria-Amelia, A. (2018). A inserção e vivência da mulher na docência de matemática no município do soyo republica de angola. Estudo de caso (Original). Roca. Revista Científico - Educacional De La Provincia Granma, 14(3), 1-14. Recuperado a partir de http://revistas.udg.co.cu/index.php/roca/article/view/15
Sección
Artículos