Sistema de gestão de histórias clínicas médico-esportivas automatizadas (Original)

  • Ailed Maria Ferrer Fernandez Centro Provincial da Medicina Esportiva Granma
  • Alejandro Rosabal Martínez Centro Provincial da Medicina Esportiva Granma
  • Carlos Alexis Hijuelo García GEOCUBA Granma
Palabras clave: engenharia de requisitos; sistema de gestão; histórias clínicas; programação extrema; UML

Resumen

O presente trabalho de investigação foi orientado para o desenvolvimento dum sistema de gestão baseado em engenharia de requisitos para o controle e gerenciamento dos prontuários, o sistema buscou proporcionar melhorias substanciais no gerenciamento das informações médicas dos pacientes, atletas e trabalhadores servidos. A ideia investigativa surgiu pelos inconveniências presentes no Centro Provincial da Medicina do Esporte (CEPROMEDE), nas Escolas Esportivas e nas Academias Esportivas da província, como a perda das informações e inconsistências nas histórias clinicas. A investigação foi do tipo projetiva enquadrada num nível compreensivo, com desenho de fonte mista, aplicado na matrícula atual das escolas, academias e do CEPROMEDE. As metodologias utilizadas foram Engenharia de Requisitos e Programação Extrema (XP), permitindo a obtenção eficiente dos requisitos com base numa análise criteriosa do ambiente em estudo e a incorporação ativa do pessoal médico como facilitador das informações necessárias para o projeto e construção da solução tecnológica. Além disso a Linguagem Unificada de Modelagem (UML) foi utilizada, permitindo representar graficamente as soluções, tendo como resultado final uma primeira versão operativa do sistema ajustado às necessidades existentes.

Biografía del autor

Ailed Maria Ferrer Fernandez, Centro Provincial da Medicina Esportiva Granma

Especialista em Medicina Geral Integral.

Alejandro Rosabal Martínez, Centro Provincial da Medicina Esportiva Granma

Administrador de Redes

Carlos Alexis Hijuelo García, GEOCUBA Granma

Administrador de Redes

Citas

Beck, K. (1999). Programação Extrema Explicação: Embrace Change. Estados Unidos: Addison-Wesley Professional.
Cood, E. (março de 2004). Banco de dados: Estruturas e restrições. 2004.01.1 .
Curioso, W; Román, H; Pérez, J; Castagnetto, J; García, P.; (2010). Melhorando os Sistemas de Informação em Saúde Materna: Validação de registros médicos eletrônicos em Callao, Peru. Revista Peruana de Medicina Experimental e Saúde Pública.
Grayson, T. (2002). Projeto de bancos de dados relacionais: princípios básicos de design.
Iakovidis, I. (1998). Para registos de saúde pessoais: Situação actual, obstáculos e tendências na implementação de registos de saúde electrónicos na Europa. Revista Internacional de Informática Médica, 52.
Luna, D; Soriano, E; González, F.; (2007). História Clínica Eletrônica. Jornal do Hospital Italiano de Buenos Aires.
Pressman, R. (2006). Engenharia de software. (6ed). Madri: Editorial Mc. GrawHill.
Rey, R., & Rinessi, A. (sf). Registros médicos e história clínica. Retirado de internet monografia: http://www.justiciachaco.gov.ar/ponencias/FICHA%20MEDICA%20E%20HISTORIA%20CL%C3%8DNICA%20-RINESSI-REY.doc
Sabartés, R. (2013). História Clínica Eletrônica em um Departamento de Obstetrícia, Ginecologia e Reprodução: Desenvolvimento e Implementação. Fatores-chave. Barcelona, Espanha: UAB, Tese para escolher o grau de Doutor em Ginecologia e Obstetrícia.
Serna, A., & Ortiz, O. (2005). Vantagens e desvantagens do prontuário eletrônico. Doente, 8 (2), 14-17.
Publicado
2019-03-12
Cómo citar
Ferrer Fernandez, A., Rosabal Martínez, A., & Hijuelo García, C. (2019). Sistema de gestão de histórias clínicas médico-esportivas automatizadas (Original). Revista Científica Olimpia, 16(54), 58-72. Recuperado a partir de http://revistas.udg.co.cu/index.php/olimpia/article/view/705
Sección
Artículos